Eu quero a minha mãe!

Você já parou para pensar que não existe mau tempo que o colo da mãe não seja capaz de curar? Pois é, a gente cresce sendo acolhido pelos braços mais tenros, pela voz mais doce e pelo coração mais calmo do mundo. E não importa como você a chama – pode ser mãe, mamãe, mã, mami, mama –, ela sempre será a mulher mais forte do pedaço: a nossa heroína predileta. Se há um consenso na vida, é que mãe é tudo de bom, é superlativo, é aquele carinho que afaga de perto ou de longe. Caminhar sozinho é quase sempre mais difícil, porém é preciso acreditar que mesmo quando a mãe falta, ela vai morar dentro da nossa alma. É como se a gente jamais ficasse desprotegido, tampouco só – e toda aquela sabedoria se transforma em ensinamentos que vão passar de geração para geração. Mãe, nesse dia especial, se eu puder te abraçar, será um presente enorme, mas se ainda não conseguir te ter grudadinha em mim, saiba que o meu amor não entende a distância. Feliz Dia das Mães!  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *